top of page

Vigília em frente à sede da Defensoria Pública marca aniversário de 1 ano do PCCS na ALRS



Os servidores e servidoras da Defensoria Pública do RS promoveram, na manhã desta quarta-feira (25), uma vigília de descomemoração do 1 ano de tramitação do Plano de Carreira (PL 146/21) na Assembleia Legislativa. A atividade aconteceu em frente à sede da DPE/RS e reuniu também dirigentes de outras entidades sindicais do estado.


O coordenador-geral do SINDPERS, Thomas Vieira, lembrou que a categoria aguarda há meses para que o projeto vá ao Plenário e destacou que o projeto do Plano de Carreira do Tribunal de Justiça foi protocolado na mesma data no ano passado e que em seis meses já estava aprovado. “Por que a Defensoria não se empenhou no final do ano passado quando estávamos trabalhando por um acordo de líderes para votação do projeto? Agora estamos aqui aguardando uma eventual homologação do regime de recuperação fiscal. Agora se tem o empenho da Administração Superior, mas agora o leite já está derramado”, criticou o dirigente.


Vieira também lamentou que a demora no envio e na tramitação do projeto tenham feito com que a categoria tivesse que abrir mão de muitas coisas importantes: “Nós servidores e servidoras tivemos que abrir mão de muita coisa, de bens materiais, de planos, de projetos. Como testemunho pessoal, eu tive que abrir mão de um carro que eu comprei, porque eu não estava conseguindo pagar a gasolina. E esse é um de tantos exemplos. Então estamos aqui para descomemorar esse primeiro ano, pontuou.


Diversas lideranças sindicais também participaram da vigília e prestaram apoio aos servidores e servidoras da Defensoria Pública e também ao coordenador-geral do SINDPERS, que teve sua liberação para o exercício de mandato classista cassada recentemente.



“Fui intimado dentro da Assembleia Legislativa enquanto eu estava exercendo o meu mandato. Enquanto eu estava fazendo o que a Administração deveria estar fazendo e que, por muitas vezes, não fez. É importante que a gente diga isso, que a Defensoria Pública é uma da porta para fora e outra para dentro”, contou Vieira.


O coordenador-geral do Sindicato dos Servidores da Justiça do RS (SINDJUS/RS) condenou a decisão da Administração da DPE/RS: "Se mexeu com um de nós, mexeu com todos. O que aconteceu com o Thomas é um fato gravíssimo, que nos causa muita preocupação pelo precedente que isso pode criar. Nesta quadra da história que estamos atravessando, de ataques aos direitos dos servidores, de desmonte das estruturas públicas, de ataque aos sindicatos, é mais do que o momento de nos unirmos e mostrarmos a nossa irresignação com essa atitude do defensor público-geral do Estado”.


O presidente do SIMPE-RS, Jodar Pedroso Prates, também prestou sua solidariedade em nome dos servidores do Ministério Público: “Prestamos nossa solidariedade ao Thomas e aos colegas da Defensoria Pública, que não podem ficar sem representação sindical, ainda mais sem uma representação que é tão determinada na defesa dos servidores da Defensoria Pública”.


Além dos representantes dos demais sindicatos do Sistema de Justiça do Estado, também estiveram na atividad